Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Durante toda a história da humanidade, a preocupação com a beleza, o desejo e interesse pelo belo sempre estiveram presentes.

Foi na Grécia Antiga que a estética surgiu enquanto disciplina filosófica, a partir da reflexão sobre as manifestações acerca do belo natural e do belo artístico. Platão, foi o primeiro a formular explicitamente a pergunta: “O que é belo?”, o identificando com o bem, a verdade e a perfeição. E, com essa concepção, definia-se uma coisa mais ou menos bela conforme a sua participação na ideia suprema de beleza.

Os gregos antigos acreditavam que as artes, em especial a pintura e a escultura, deviam representar a beleza ideal. O corpo humano mais belo era aquele que mostrava harmonia e porporção entre as partes. Sendo assim, nascia a matemática das proporções do corpo, que determinavam que uma figura humana perfeita deveria ter medidas como: face 1/10 do comprimento total, a cabeça 1/8, o comprimento do tórax 1/4 etc.

historia-beleza-grecia-1

Para muitos cidadãos que viveram na Grécia Antiga, a beleza era considerada uma dádiva, um verdadeiro presente dos deuses. De maneira simplista, ter um corpo bonito era também uma prova de uma mente brilhante, de um “interior” ainda mais perfeito. Por isso, as pessoas vistas como “belas” eram consideradas abençoadas e amadas pelos deuses. Para eles, a beleza estava muito ligada ao caráter e ao divino.

Naquela época, havia inclusive muitos concursos de beleza. Essas competições (‘kallisteia’) eram realizadas com frequência nos centros de treinamento das Olímpiadas em Elis e nas ilhas de Tenedos e Lesbos. Homens também participavam e amarravam fitas nas partes que gostariam de chamar a atenção dos jurados como pernas e bíceps bem torneados.

historia da beleza na grecia

CABELOS

Com relação aos cabelos, alguns historiadores defendem que os salões de barbeiro surgiram nessa época, tornando a arte do corte e higiene de barbas uma profissão muito importante. Enquanto filósofos, escritores, poetas e políticos se reuniam para conversar sobre temas que diziam respeito à sociedade, aos esportes e eventos sociais, eles eram barbeados, faziam ondas nos cabelos, cuidavam das unhas das mãos e dos pés e recebiam massagens. Afinal, ser um homem bonito era fundamental e, visto que a beleza grega exaltava bastante o corpo masculino, era muito comum ver ginásios repletos de homens exercitando-se para modelar seus corpos, preparar atletas e treinar soldados.

Os cabelos tanto de homens quanto mulheres eram, de modo geral, espessos e escuros, e usados normalmente no comprimento longo e ondulado. Apenas os escravos usavam o cabelo curto. Mulheres livres usavam seus cabelos compridos soltos, e depois de casadas, presos geralmente em um coque. Na maioria das vezes, eram enfeitados com pentes, jóias, alfinetes de cabelo e outros acessórios.

Como fios loiros e ruivos eram raros e muito admirado pelos gregos de ambos os sexos, eles sempre tentavam descolorir os seus fios usando infusões de corantes amarelos retirados da mistura de flores com outras substâncias como água de potássio. Eles também utilizavam preparos de cosméticos com óleos, pomadas, graxas e essências aromáticas feitas de flores, para dar brilho e um perfume agradável aos fios. Para eles, os perfumes haviam sido entregues ao mundo pelos deuses, e por isso aplicavam essas fragrâncias no corpo e cabelos.

historia-beleza-grecia-3

Os gregos antigos consideravam a barba um símbolo de virilidade e sabedoria. Era muito comum, por exemplo, punir um homem que fizesse algo vergonhoso cortando-lhe a barba. Essa penugem do rosto era considerada sinal de status e sua ausência caracterizava feminilidade

Porém, no século IV a.C. Alexandre, O Grande, ordenou que todos os seus soldados vivessem de barba perfeitamente feita e cabelo raspado. A justificativa para isso tinha a ver com as guerras enfrentadas. Alexandre queria evitar que o exército inimigo puxasse no campo de talha seus solados pela barba ou cabelo, facilitando que lhes fosse decepada a cabeça. Até então os gregos possuíam longas cabeleiras, porém após essa decisão, a “moda” espalhou-se rapidamente e era muito comum ver em toda Grécia e Macedônia, homens com a barba feita e os cabelos curtinhos.

Já durante período helenístico (que começa com a morte de Alexandre, o Grande) diversos tipos de penteados como coques, tranças, franjas, cabelos presos com tiaras e diademas começam a ser usados. Um exemplo de penteado desse período é o dessa escultura de Afrodite, datada do ano 330 aC.

historia-beleza-grecia-4

MAQUIAGEM

As mulheres gregas usavam pouca maquiagem, pois consideravam como belo um visual pálido e natural. O produto que era utilizado para realçar as maçãs do rosto, como o nosso ‘blush’ de hoje, era feito com uma mistura de algumas plantas, composto do mineral mercúrio, argilas ocre ou azeite com ceras de abelha. Esse mesmo produto era usado nos lábios como batom – local que contribuía para a ingestão e possível envenenamento.

Nos olhos, elas criavam sombreados com tons preto e azul, misturando azeite de oliva com carvão vegetal. O carvão também era usado para criar uma espécie de ‘monocelha’, uma vez que as gregas antigas gostavam de usar as sobrancelhas conectadas umas às outras. A pele pálida, tão desejada, era conseguida com a aplicação de pós faciais, que também eram super perigosos, pois continham uma grande quantidade de chumbo na sua composição, o que causava várias mortes prematuras.

historia-beleza-grecia-5

Gostaram de conhecer um pouquinho sobre alguns costumes de beleza da Grécia Antiga? Em breve, traremos mais posts abordando a história da beleza e a evolução dos looks e produtos de cabelo e maquiagem até os dias de hoje, mas sem necessariamente seguir uma ligação cronológica, ok? Fiquem ligados! 😉

Imagens: reprodução.

Publicado em 16 novembro, 2016

4 Comments

  1. Posted by Nilza bezerra on

    Achei incrível e já compartilhei…

  2. Posted by Paniagua on

    Adorei saber que o culto a beleza não é só dos tempos de hoje. E sou apaixonada pela Grécia.

  3. Posted by Jorge on

    muito bom o artigo


Deixe uma resposta para Jorge Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *